quinta-feira, março 18

AVATAR

Blogárgulas,

confesso que gostei do filme. Gostei porque desta vez o tempo que dura vale bem o que se paga, até porque não tem sido essa a tendência.
Desde que o filme saiu, tenho lido algumas coisas que se escreveram sobre ele, bem como ouvido as diversas opiniões.
Vamos pôr isto nos seguintes termos: de um lado, as opiniões dos críticos - aqueles gajos que respiram cinema, sabem tudo de cinema, mas nunca gostam de quase nada - do outro lado, as pessoas simples, como eu, que vão ao cinema para "encher o olho" e ver algo de diferente.


Neytiri - a amazona de 3 metros

Espremendo as opiniões, daquilo que li, 70% dos críticos achou o argumento fraco, só se safa pela nova tecnologia que permite dar vida a entes virtuais. Em relação às pessoas (do que ouvi, friso) diria que 50% gostou, 45% adorou e 5% achou uma perda de tempo. Tudo bem, é o sentir das pessoas, mas a verdade é esta - goste-se ou não, o filme facturou mais do que Titanic (1.8 USD bn), quase atingindo os 3 USD bn. Leo de Caprio teceu elogios a Avatar, considerando-o um filme envolvente pelas personagens e claro, pela espectacular tridimensionalidade colorida (eu é que disse isto, não foi o Leo, que deve conhecer apenas palavras com 3 sílabas, no máximo). Como nós, os 95% que gostaram do filme, Leo também espera agora pela sequela (que parece que vai ser uma prequela).



Jake Sully - tinha que ser um marine? No futuro, poder-se-iam chamar de Spacines ou Starrines. 
(Nessa altura nem deve haver água)

Foi o milagre dos pães, Jesus Jim: este magano, de um orçamento que rondou os 500 milhões de dólares, praticamente quintuplicou o valor! Se compararmos com custos de produção pesado, como Batman returns (185M), spiderman 3 (285M) e Piratas das Caraíbas (300M), o Jim deu um bigode!

Ah, depois há os aproveitadores  -  Um chinês (da China, mesmo) queria que lhe fosse pago o valor de 8% das receitas de AVATAR, por considerar que se tratava de um plágio de um conto seu publicado online em 1997. Parece que o tribunal na china não lhe deu razão...pode haver aqui lugar à terrível "vingança do chinês".

Seja como for, este filme tem dado que falar, quer pela parvoíce dos deprimidos que queriam viver em Pandora (que afinal foi mais um empolamento do que realidade), quer pela quantidade de "matchos" que gostaria de ter uma Neytiri à disposição.

A esses eu digo: nem com uma mulher de estatura mediana se safam, quanto mais com uma ágil e andrógina de 3 metros de altura...Ganhem juízo e tratem bem da mão direita, que ainda vai fazer muita falta, rapazes!

Hasta la Blista, baby!





Lopitus, the criticising bastard

sexta-feira, março 12

And the Oscar goes to...

Encontrei esta foto, mas parece-me que há algo de errado.




Cameron verde de inveja - deve estar correcto.
A ex a apertar o gasganete dele - não entendo porquê.
Cameron andou a apelar ao voto no filme da sua ex, o que lhe ficou bem, mas a gente sabe que trazia água no bico.
"Ah, e tal, já tenho lá 5 óscares e num-sei-quê, a Kathryn é uma realizadora e pêras, já merecia, pelo seu trabalho e tal..." -  Este gajo sabe-a toda, ah, pois!


Topem lá as mensagens subentendidas neste discurso:
"já lá tenho 5 óscares" 
(SOU MUITO BOM, NÃO SE ESQUEÇAM DISSO!)
"a Kathryn é muito boa realizadora"
(AFINAL, DEPOIS DE ESTAR CASADA COM O MESTRE, SÓ PODIA, NÃO É?)
"já merecia pelo seu trabalho"
(SE EU DER GRAXA PODE SER QUE ELA ABDIQUE DA PENSÃO!)
"e tal..."
(SÓ PRA ME CONTRARIAR, PODE SER QUE A ACADEMIA VOTE EM MIM, EHEHEH!)


Enfim, um espertalhaço, este Cameron - pena que saiu furado, não Jim?


Lopitus, the criticising bastard


quarta-feira, setembro 30

Quem vê cartazes...vê corações?

Mas que saudades, blogamaradas!
Hoje apeteceu-me começar a partilhar aquilo que os vários outdoors da campanha eleitoral me suscitam.
Já repararam como os slogans que acompanham as fotos do candidato podem ser tomados não como dirigidos ao país, mas sim como desejos do próprio?

Já repararam, com certeza! Vamos dar uma vistinha d'olhos, ok?

Vamos começar por este amigalhaço.

Reparamos logo no seu olharzito maroto, sorrizinho de Gioconda...mas atenção, logo ali ao lado, em maiúsculas, alerta-nos logo: "Atenção. Não é maroteira, é determinação".
Deixa lá ver...bem, até pode ser. Mas ainda acho mais maroto que determinado.
Agora, claro, fica a questão: "Determinação? Determinação para quê?" Ah, está logo ali abaixo, reparem - AVANÇAR PORTUGAL - bom, fica claro, então: este maroto está determinado em avançar Portugal, não é Fazer avançar Portugal, é mesmo Avançar Portugal.
Isto é, o país é uma barreira que ele tem que avançar para chegar aonde está determinado a chegar.  Lá estou eu a ser mauzinho. Vamos lá fazer outra leitura - como é aficcionado da corrida (meio-fundo e fundo), este malandreco quer é surpreender-nos a todos e ser o político pioneiro que para além da vulgar corrida, mostrará os seus dotes físicos no salto em altura. Deve ser isso...

Aliás, a imagem seguinte corrobora esta hipótese:



 
Cá está ele, e sublinho, com determinação, parecendo indicar a que altura devem colocar a fasquia. Para que ele possa, claro...avançar. 

 Ou então.."Sigh Heil"...??!







Lopitus, the criticising bastard

terça-feira, janeiro 27

Ano novo, Vida velha...

Diria mais: vida gasta!

Blogandulos, ainda não tive a possibilidade de ir ver este último filme com o Brad Pittaço, mas daquilo que conheço da história, não me parece nada mal - aliás acho que deveria servir de inspiração para os próximos progressos da ciência - reparem: quem não quereria chegar aos 25 anos com a sapiência dos 50 ou 70??


Além disso, a pujança - não há frio nem orvalho que nos tolha a vontade de levar a cabo a tarefa de facturar - e digo facturar porque convém manter alguma legalidade fiscal: hoje em dia 80% dos blogs são avaliados pelo Pacheco Pereira e daí até chegar o seu conteúdo a instâncias que não interessa é um ai - desde aguentar três horas a fazer a mesma carreira de autocarro para ver se encontramos aquele avião que vimos sair naquela paragem há dois dias atrás, até chegar ao ponto de tomar 10 ou 15 cafés por dia, só pra podermos ter dois dedos de conversa com a empregada, que é toda curvas. Uma coisa do género "era um cafézinho, fáchavôr" -1 minuto de intervalo - "obrigado" - mais 1,5 minutos, entremeando a golada com o virar de páginas do jornaleco local - "quanto é?" - cansadinho de saber que são 55 cêntimos - "obrigado, bom dia" - com um sorrizinho parvete que não levou a nada...mais uma vez.


E depois aquilo que realmente interessava - reparem, se como no filme, fôssemos ficando mais jovens, se tivéssemos a possibilidade de começarmos a trabalhar digamos, aos sessenta físicos (que corresponderia aos 10 psicológicos), chegaríamos aos 30 físicos como pujantes reformados, prontos pra gastar as reformas como deve ser - nada de 70% para medicamentos - ou, pelo menos, medicamentos de farmácia - só mesmo látex - aí sim, a vida faria sentido, que diabo!

Sinceramente, não me estou a ver reformado - aliás, acho que nessa altura melhor será já ter encomendado o caixote e o lugar debaixo da ponte, porque a concorrência vai ser renhida. Pensões, não vai haver - só mesmo para os que tiverem tido cargos no governo ou entidades públicas de difícil gestão, onde 4 anitos já dá pra garantir uns miles de euros futuros - por isso o melhor será ir abrindo os horizontes e começar a conhecer a realidade freegan, e ir apanhando um ventinho na tromba pra ir habituando....

Bom, mas voltando ao filme, era mesmo um excelente ponto de partida para a investigação científica - arranjar maneira de inverter o processo de envelhecimento celular, ou melhor, a cronologia do envelhecimento ."Não é a mesma coisa, pá?", perguntarão, ao que respondo "não, não é, reparem que no segundo caso aplico um termo de 2,5 € (antigamente designado de "500 paus"), que denota uma erudição muito mais credível.
Acho que vou ver o filme, porque me parece que isto de nascer velho e ir juvenificando (reparem no neologismo descarado, mas empregue com a propriedade que a prosa anterior me grangeou), terá certamente algumas desvantagens - bem posso apontar uma ou duas, só para ver depois se o filme me surpreende ou se, o argumentista foi por caminhos mais nobres e elevados.

Por exemplo, como se lida com o aumento da eficiência da próstata??? Já pensaram nas implicações disto? Um idoso sabe que se sentir vontade de tirar água do joelho (em inglês syphon the python), das duas uma: ou tem que ir logo ou então pode estar à vontade, que aquilo só de algália....ora se a situação se altera, isto é, se as funções corporais começam, digamos, a funcionar devidamente, então estes sinais de aviso deixam de fazer sentido - o pior é que primeiro que se nos habituássemos a isto poderíamos ter alguns dissabores - deixem-me elaborar: estamos na fila para comprar pipocas no cinema e surge aquela vontade de ir, do tipo "tem que ser já!"; ora em situação normal, como idosos, saberíamos:

1- que já não haveria tempo e, resignadamente, ficaríamos molhaditos mas quentes;
2- que é um falso alarme, por isso teríamos tempo para chegar a casa e usar a algália.

No entanto, na condição de jovens, estes dois cenários não se verificam, e o mais natural será:

1 - correr para o wc mais próximo e ficar sem pipocas (o que tira 80%da piada ao filme);
2 - pensar (erradamente) que está tudo bem  -o tal falso alarme- e, além de completamente molhados, iniciar uma girândola de libertação de gases ruidosos e olfactivamente ofensivos, enquanto a multidão tenta esquivar-se o melhor que pode. Isto seria para que não se perdesse a vez na fila, atenção).

Bom, seja qual for o desfecho, não me parece bom.


Há pouco, falei em pipocas. Isso lembra-me uma teoria que gostaria de partilhar convosco um destes dias.

Se me esquecer, lembrem-me, está bem?

Abracinhos!

Lopitus, the criticising bastard

terça-feira, abril 10

Hasta la vista...cabrones!

Atão?
Pensaram que eu já tinha ido desta pra melhor? Não, ainda cá ando. Se bem que "ir desta para melhor", é fácil...é só atravessar a fronteira e estamos em Espanha.

Dantes dizia-se (e ainda há quem diga) "de Espanha, nem bom vento nem bom casamento". É certo. Tá certo. claro, que há outras coisas boas que de lá vêm: os iogurtes, os flocos de cereais, as laranjas, as batatas e legumes em geral, certos pepinos, e claro as pipas (sementes de girassol).

Mas porquê falar de Espanha? Eh pá, apeteceu-me intervalar...o nosso Portugal é quase como um pesadelo interminável - a vida vai ficando melhor para aqueles que já estão bem...e muito pior para aqueles que já não tinham onde cair mortos, que é o meu caso - acham que ia estar a mandar filetes se estivesse de férias nas caraíbas? Nah....!

Espanha é aquela coisa do nosso imaginário infantil: caramelos (em espanhol, caramilhos), chocolates (em espanhol, "nêslê"), tudo escondido debaixo do assento do carro ao passar na fronteira, e agora aparecem-me também na TV e nas revistas estas Merches, Mercedes, Pilares, Adelas e Penélopes, como se estivéssemos numa província espanhola qualquer.

Olhem lá: no outro dia fui ao Bom Jesus (em Braga). Sentei-me na esplanada, e quase não consegui comunicar com o empregado ( em espanhol, cámáréro) - bom, estou a exagerar, consegui fazer o meu pedido: lá fui gesticulando para uma tosta mista (em espanhol tostadita de mézcla de quesito y jámón, con un chiquitito de matequilha nel luémbo del pán) e um fino ( em espanhol, un delgadito). E fui gesticulando porquê? Porque estavam todas as mesas ocupadas por uma chusma de espanhóis todos a "hablar" com o volume no máximo, como se Algeciras tivesse sido invadida pelos marroquinos ou estivessem para abrir las rebajas nas galerias preciados...ou no Corte Inglés (Já agora...porque é que se ouve sempre dizer no EL corte Inglés ao invés de No Corte Inglés? Será um fundamentalismo árabe?) .

Bom, continuando, eu que pensava que ia estar ali uma meia-horita a ouvir os pardais e a sorver um "finito" ou dois, acabei por engolir a tosta amolecida por goladas de cerveja e em 2 minutos estava tudo acabado - bom, tirando os cerca de 10 que estive à espera que o empregado trouxesse o pedido.

Acreditem que comecei a ficar com uma dor(em espanhol, un dolor) de cabeça (em espanhol, miôna), que era a única opção a tomar: dar de frosques (em espanhol, dar quiórda a los patines)

O turismo é bom, é. Mas para quem vai em "tour", porque quem tem que levar com "los turistas", normalmente gasta uns euritos no otorrino.

Até mais blogo,


Lopitus

sábado, janeiro 21

Sou o único a não querer ver isto?

Blogandalhos, olá!

Novo ano, nova vida...sim, eu sei que está ao contrário, mas também deveria ter dito isto no ano passado....infelizmente, em 2005 fui acometido de uma apoplexia que me tolheu os cotovelos, impedindo-me de ter a minha vida normal... bom, o pior foi o ataque de caspa nas sobrancelhas, que durante uns meses me fez acreditar que estava a nevar!!!

Seja como for, estou por aqui...tenho feito algumas intervenções pessoais junto de alguns palhaços deste país, mas sem sucesso - O Jorge Gabriel, cabeça de melão, continua a contaminar a minha televisão. Já activei o parental lock para que não se possa ver RTP1 das 10 às 16. É que o Zé Carlos Macaco e a Merche Trasero já me estão aqui atravessados... mas porque será que nos querem fazer de debilóides? Ninguém lhes diz nada? e depois aquelas mensagens de SMS em rodapé (parabéns...vocês são xelentes profissionais...beijinhos), valha-me Zeus!!!


Lopitus, the criticizing bastard

segunda-feira, dezembro 6

God existe!!

Ah, blogasteiros deste meu país!!!! Que saudade!

Não tem havido tempo pra mandar umas farpas...aos touros desta arena que é a vida...Bom, chega de conversa de chacha!

Últimas novidades - O Governo de passerelle caiu de borco e agora vai ser generosamente sodomizado nas próximas eleições - Esperamos, porque "o povo não é parvo", mas às vezes parece!

Bom, que esperar? Uma nova danças das cadeiras, com nomeações à canzana para cargos públicos, vai ser uma felicidade... desta vez até o BE pode molhar a sopa!!! LOUÇÃ RULES!!!!!

Olhem, seja como for: temos de lhes colocar a CANGA, porque estes políticos estão a ficar cada vez mais atrevidos e impunes; se for preciso, recorre-se à sublevação - se houver falta de ideias, pá, falamos com o Otelo, pá, ou com o Jaime Neves, pá! Esses sim, pá, metem as chaimites, pá, na rua, pá, e os reaccionários, pá, no campo pequeno, pá!!!!

Ah, o que eu dava pra meter no campo pequeno!!! Alguns, claro!

Não sei que vos diga. Estou contente porque os palhaços vão mudar camarim. Sé é pena que não mudem de circo.

Abracinhos!




Lopitus